sexta-feira, 11 de março de 2016

Resenhando: ''Caixa Postal 1989'', autora Angela Carneiro

Olá queridos Literários, hoje trago a resenha do livro ''Caixa Postal 1989'', escrito pela autora Angela Carneiro, uma obra alusiva, verdadeira, deleitante e apaixonante da literatura infanto-juvenil. Relembro que ganhei este livro no aniversário deste ano e agradeço demais a querida Geane Santos por este presente maravilhoso. Conhecer as personagens incomuns, cativantes e tão verdadeiras desta história foi um benefício para os meus conhecimentos. A criação primorosa de Angela Carneiro ganhou dois prêmios em 1993, Prêmio Jabuti (o mais importante prêmio literário do Brasil, lançado em 1959 e idealizado por Edgard Cavalheiro quando presidia a Câmara Brasileira do Livro) e Autor Revelação.


Título: Caixa Postal 1989
Autor: Angela Carneiro
Publicação: 2005 (8ª edição)
Editora: Jose Olympio
Gênero: Infanto-juvenil
Páginas: 114


Sinopse: Através de anúncio publicado em uma revista, dois adolescentes começam a se corresponder. Conversam abertamente sobre suas inquietações, suas angústias, seus sonhos, suas relações familiares e suas visões de mundo. Numa época em que os livros para jovens exageram no lugar-comum, esta história oss faz pensar e se emocionar através das relações entre a protagonista Laura, e os amigos, a família, a escola e a sociedade, com realismo e poesia.


A história é fascinante, é nostalgia completa, um saudosismo maravilhoso. Nas páginas de ''Caixa Postal 1989'' encontramos lembranças, vontades, ideais e aquele ar de quero mais que preenche a alma. O contato direto com as personagens, que mesmo através de cartas se comunicavam abertamente sobre assuntos diversos da época, faz com que nós, leitores, nos questionemos sobre e recapitulemos tais assuntos tão envolventes. A protagonista Laura começa a se envolver de maneira tão romântica com Léo que a vontade foi mesmo de voltar ao tempo de antes e fazer igual, encontrar alguém do outro lado, de outro estado e de características tão fortes para me comunicar e apaixonar também. Tudo é escrito em tons poéticos que desatinam as batidas do coração e recheiam o espírito de contentamento.


Laura e Léo se conhecem em razão do anúncio da revista.
''Sabe que você tem uma maneira muito peculiar de aceitar uma amizade? Li e reli o seu bilhete. Quis mergulhar além das linhas para ter certeza (...) E é por isso que escrevo. Nesse escrever eu me acho e me perco. Construo três lindas frases e destruo quatro péssimas folhas. Mas, com você o sentimento vai direto do coração para o papel. Nem mesmo releio o que escrevi (...) No poema cada palavra tem um peso e uma medida exata. Sou duplo: um Léo rasga os seus preconceitos para pegar o sentimento verdadeiro... Outro Léo critica. Corta, substitui, seleciona e, no final, dá nota.''

A realidade do enredo em 1989 é conquistadora. Os ares que os adolescentes respiram revelam que lá fora há uma divisão num país ainda com muitos contrastes e em época de eleições. Uns para cá e outros para lá, cada um com seu pensamento sobre os seus partidos e, outros, ainda com dúvidas e, participantes de um cenário estadista dominante, tentam mostrar-se apolíticos deixando de lado opiniões sobre os assuntos.

''Bom, quanto às eleições. Essa é mais uma das cobranças que enfrento diariamente. Diversos candidatos... fizeram palestras, responderam perguntas. Mas não vesti a camisa de nenhum deles. Seus discursos televisivos são ótimos (...) Às vezes eu me encho de felicidade. Mas então, vou até a padaria e vejo um tanto de crianças descalças, cheirando cola, pedindo um pão doce e um agrado. É difícil ser feliz quando os outros não o são.''
Mais uma leitura fantástica, que além de trazer conhecimentos, me deixou todo saudosista.

O que dizer dos diálogos? Angela Carneiro os fez representativos e atraentes. Os discursos entre as personagens são de altíssima importância; a maneira como cada um aborda, compreende, aceita e defende cada ponto os fazem verdadeiros tesouros literários e humanos. Será impossível seguir a carreira na literatura - seja como autor ou leitor - e não carregar um pouquinho de Laura, de Léo, de Marlúcia e Celeste. Como a própria autora deixa claro em sua dedicatória, ''Este livro vai para todos os que mantêm as fortes paixões da juventude e não desaprenderam a sonhar''. O romance é limpo, honesto, bonito e humano. Para os apaixonados e sonhadores, ''Caixa Postal 1989'' se torna uma viagem especial daquelas que se embarca de corpo e alma até o fim.

A escrita é formosa, a poesia incita o leitor e o controle de todo o romance é ousado. Não há outra palavra para descrever o sentimento principal causado por ''Caixa Postal 1989'': é apaixonante.

A retratação dos sentimentos e desejos dos jovens de um ponto de vista deles próprios é magnífica. A carioca Laura demonstra ser pulso firme, porém questionadora e sempre carregando o romantismo na bagagem. O mineiro Léo é um cara encantador, um rapaz sensível, de bom caráter, cheio de sonhos - um deles, ser escritor - e que apesar de muito decidido sobre alguns temas, descobre e duvida ainda coisas sobre si, assim como a maioria dos jovens foram e são. Os desejos de antes são os de hoje, ainda continuam vivos em ALGUNS dos nossos rapazes e moças. 

''No meu país, ah, no meu país, não vai haver nem esquerda nem direita, vamos todos ser inteiros, completos (...) Enquanto esse mundo não vem, tento traçar meu país interno. Tento ser coerentemente transparente. Mas, muitas vezes, não consigo. Enquanto isso, sonho colorido sim. Mas tenho pesadelos durante o dia. Meus monstros diurnos são bem mais assustadores. Neles tento me espreguiçar.''
Muito marcante. Adoro leituras deste tipo.
O romance é um grande aprendizado. Além dos sentimentos que consegue causar no leitor, faz a abordagem de temas realmente respeitáveis.

As coisas impossíveis:

''Olha, eu já tô cheia desse papo de impossibilidade. Impossível é tirar as calças pela cabeça, entendeu? Desde quando diferença de idade é barreira?''

As drogas:

''Eu não incentivo, e nem cabe amim aprovar ou não. Apenas não condeno. Mas deve ser bom pra quem gosta. Não julgo pois eu também já fugi e muito. Minha droga se chama livros (...) atravessei a tal da puberdade (eta palavrinha horrorosa, sô!) mergulhado em livros.''

A diferença entre os seres e o pensar, agir e falar:

''Eu não quero fazer a sua cabeça. Já tenho muito trabalho tentando fazer a minha. Sei que ser careta é difícil, como eu sei. Mas sei que ser doidão é mais difícil ainda (...) Já fui ridículo, já fui bobagem... Já me condenei a prisão perpétua... Não sou e nunca serei perfeito. Mas porra! Como eu tento!''
''Aprende uma coisa: eu não sou o teu espelho e a maioria das pessoas também não é.''

O livro tem 114 páginas e uma diagramação perfeita. Além dos temas acima, ainda há assuntos sobre a sexualidade, o primeiro beijo, a primeira vez, a amizade e muitos fatos históricos mencionados, como a queda do Muro de Berlim.

As figuras são bonitas e dão ao livro um capricho.
''Passei a verificar os fios com lupa. E como eles demoravam a aparecer! Comecei a duvidar: seria eu realmente homem? As coisas pioravam com as preferências esportivas. Gosto algum pelo futebol. Os colegas faziam piadas. Eu pensava: será que eu sou diferente?''

Bom, para finalizar, o final me deixou frustrado. EU QUERIA MAIS. EU QUERO MAIS. A sequência do livro, intitulada ''Eu Te Procuro'', certamente será lida por mim este ano. Eu preciso dessa leitura. Deixo claro que ''Caixa Postal 1989'' é lindo e merece 5 estrelas. Estou a flutuar em meus delírios juvenis. Ganhar este livro de presente foi voltar ao passado e rever parte da pré-adolescência e juventude expostas à minha frente. Saber também que, de lá pra cá o país não mudou em muitas coisas, talvez tenha melhorado levemente ou piorado drasticamente, quem sabe? Cada um verá e entenderá de sua maneira. Decerto, o romance entre Laura e Léo é maravilhoso e merece ficar gravado em nossos corações.



Ângela Carneiro tem 62 anos, é uma escritora, ilustradora e tradutora brasileira. É formada em Pedagogia pela PUC/RJ, mestre em Educação e autora de uma tese sobre criatividade. Estudou artes plásticas e línguas. Foi premiada várias vezes, com destaque ao Prêmio Jabuti mencionado no início da resenha (Categoria Melhor Livro Infantil ou Juvenil pelo livro Caixa Postal 1989) e para o selo de Altamente Recomendável para o Jovem, da FNLIJ. Ela merece o nosso prestígio.


Obrigado por acompanharem mais esta resenha pelo Marcas Literárias. 

Um abraço forte em cada um de vocês.


Até a próxima.



Comente com o Facebook:

10 comentários:

  1. Resenha maravilhosa Leonardo. Esse livro me parece uma espécie de bíblia para essa molecada, que geralmente não procura nada de valor na vida, e somente querem diversão e coisas banais. Livros assim cheios de mensagens positivas e que ensinam a fazer o que é correto deveriam ser lidos por todas as pessoas. Porém sabemos que no Brasil isso não acontece por vários motivos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os adolescentes brasileiros se perdem pois não são educados de forma correta, e quando são, ainda tendem a se desviar porque se deixa influenciar. Eles devem acordar pra vida, saber que o mundo, embora ruim, tem coisas boas a oferecer.

      Excelente comentário Luciano, valeu.

      Excluir
  2. Nossa, como alegraste meu coração.Voltei no tempo, e percebo que continuo encantada por essa atmosfera contagiante de descobertas e aprendizado, no qual o enredo nos leva a viver as emoções nos colocando a viver experiências inesquecíveis ou até mesmo relembrar os encontros da vida.Tudo isso sentir ao ler a resenha, você Léo, soube nos apresentar o livro com maestria, se mostrando um ótimo resenhista, pois além de nos situar no tempo, se envolveu e deixou claro as emoções sentidas ao lê-lo. Encantada moço!❤ Com o modo que você captou e expressou tão grandioso ENCONTRO. Continuas fazendo a diferença.Parabéns!!👏👏❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, muito obrigado Geh, o seu presente foi, sem dúvida, uma dádiva. Fico feliz que tenhas gostado. Você merece essa saudade boa.

      Beijos.

      Excluir
  3. Quando li essa obra, fui tomado por imenso sentimento de nostalgia. Vivi bons momentos nesse tempo e nem percebi como cada segundo era valioso.
    Se eu pudesse voltar com a mentalidade de hoje, aproveitaria com maior intensidade. Época linda! Pena que o tempo não sabe voltar e sempre caminhamos em frente. Gostaria de viver um retorno ao passado.
    Parabéns pela sua resenha. Foi muito tocante e fortaleceu o sentimento de saudade.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. O livro é realmente assim, ele tem esse 'poder' de nostalgiar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Livro lindo,adorei!!!
    Apaixonante e emocionante. resenha maravilhosa.
    Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  6. O livro traz à tona todos esses sentimentos, Luh. É bom tê-lo em nossa coleção e lê-lo. Carregar essa história conosco é essencial.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  7. Gente! Que felicidade!!! Obrigada!! Por favor, mantenham contato pois estou querendo publicar o último da trilogia,vocês fizeram meu dia!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Querida autora, é uma honra receber você aqui,ficamos felizes demais em saber que a nossa análise te fez tão bem. Parabéns pelo livro e traga pra gente o último volume, estamos esperando, somos teus admiradores. Beijos

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd