segunda-feira, 25 de abril de 2016

Resenhando: ''A Caixa de Natasha e outras histórias de horror'', do autor Melvin Menoviks

Olá a todos! Vocês sabem como é aquela sensação pertinaz que te induz literalmente a alguma coisa? Com certeza algo semelhante a isso já aconteceu com vocês, não é mesmo? Há algum tempo eu fiz a compra do livro ''A Caixa de Natasha e outras histórias de horror'' do autor Melvin Menoviks pois quando li a sinopse da obra fiquei literalmente maluco. Só que ultimamente tenho tantos outros livros de amigos parceiros para ler que tive que ir adiando a leitura de ''A Caixa'' por alguns meses. Porém, nesse feriado, tive uma pausa nas parcerias e fui correndo iniciar a leitura do livro do M.M. Tive que perambular pelo tetro mundo narrado pelos personagens do cara e encontrar incontáveis segredos cheios de essências negras e demoníacas que me tornaram ainda mais apreciador do nefasto universo. Convido vocês a encararem uma avaliação de ''A Caixa de Natasha e outros contos de horror'', venham comigo...


Título: A Caixa de Natasha e outros contos de horror
Autor: Melvin Menoviks
Publicação: 2015
Editora: Novo Século
Gênero: Contos brasileiros; Terror
Páginas: 376


Sinopse: Um estranho retrato pendurado no corredor da casa de sua avó causa um assombroso fascínio no jovem Alfredo, em “O retrato tétrico”. Duas irmãs sozinhas em casa em um dia nublado, frio e silencioso revelam um segredo que talvez devesse ter permanecido oculto para todo o sempre, em “As inocentes”. A mais pura essência do medo e do terror, personificada em “Malpurga”, é finalmente superada por um homem no começo da velhice – será? A caixa de Natasha e outras histórias de horror reúne 17 contos, 3 poemas e uma narrativa longa do estreante Melvin Menoviks. As histórias, originais e aterrorizantes, exploram várias facetas da ficção de horror, desde o terror psicológico sutil até o exagero escatológico de sangues e carnificinas, passando por todos os sinistros mistérios que existem entre esses dois extremos. Não se atreva! Após tensão e suspense crescentes, a atormentadora revelação final de “A caixa de Natasha” poderá causar pesadelos eternos mesmo no mais corajoso dos leitores.

''Apesar de aquelas expressões de êxtase sobrenatural me serem tão distantes, pareciam estar no mais profundo de meu ser, em uma obscura região minha ainda desconhecida e intocada, mas aguardando impaciente como um feroz animal enjaulado.''

Melvin Menoviks faz parte dos autores da Editora Novo Século e o livro ''A Caixa de Natasha e outras histórias de horror'' foi publicado com o selo Talentos da Literatura Brasileira.
Quero começar as minhas ponderações deixando claro uma inquietação que ainda me deixa, às vezes, amofinado com nossos leitores nacionais. Eu ainda não entendo o preconceito idiota que parte dos brasileiros leitores — ainda — tem quando o assunto é livro nacional. Quero lembrar que nesse ano já li vários livros nacionais — dentre eles, muitos do gênero terror — e que aqui no #ML há, inclusive, o projeto Os Nacionais Merecem Prestígio, voltado para a apreciação e indicação de livros de autores brasileiros. Os livros que li — TODOS — merecem aplausos e reconhecimento pelo conteúdo fascinante apresentado por seus autores e ''A Caixa de Natasha'' não é diferente. O autor mostrou que é majestosamente talentoso e que tinha uma proposta a ser oferecida em seu livro, que definitivamente foi assimilada. O conteúdo (terror/horror) apresentado em ''A Caixa de Natasha'' é, sem dúvida, magnífico. 

Manifesto o aprazimento pela escrita de Melvin Menoviks. O cara nasceu pra isso! O seu estilo é natural, sofisticado, detalhista, contemporâneo e, com efeito, extraordinário. Ao ler ''A Caixa de Natasha'' sente-se o vínculo íntegro entre autor - obra - personagem - leitor. Está tudo estruturado perfeitamente. Os enredos não são estafantes e a ânsia pelos desenlaces se dá imediatamente. A escrita segue sem desvios bobos e desnecessários (como às vezes se vê em outros livros de contos). O leitor, de fato, sente-se alegre em ler histórias grandiosas assim. Eu me senti exatamente desse jeito, imensamente feliz a manusear cada página. As palavras que Melvin Menoviks utiliza em suas narrativas se encaixam perfeitamente como se quisessem levar o leitor diretamente a um labirinto assustador de cor negra refulgente. Os personagens, na maioria das vezes dotados de desejos excêntricos e práticas cruéis e repugnantes se envolvem com espíritos, criaturas das trevas e em várias situações acabam em possessões malignas (perfeitamente descritas) tornando-se modelos precisos do universo do Além. 

A diagramação da obra é ótima. As páginas negras, comumente encontradas em títulos de horror, também estão presentes em ''A caixa de Natasha''.

Os contos são Excelências Raríssimas do mundo do horror. Sério! Todos são perfeitos. A estrutura é ótima e o que é contado transmite verdadeiro pavor. Melvin Menoviks é um autor genial. Os títulos dos contos são simples e objetivos mas aliciam o contato do leitor com esse mundo sobre-humano, aguçando o medo, mas seguidamente, o desejo. São, decerto, atraentes demais. Quanto aos desfechos, na maioria das vezes são aterradores. Em ''A orquestra diabólica'', por exemplo, um verdadeiro pandemônio macabro é experimentado pelos personagens.

''(...) Um cheiro horrível de carne queimada espalhava-se pelos ares entre a escuridão, e as fumaças espessas intoxicavam e queimavam os pulmões dos que ainda tentavam respirar (...) As pessoas caíam, ardiam, crepitavam e gritavam para a morte e a orquestra tocava, tocava e tocava notas satânicas e lúgubres acordes desarmônicos.''
A lombada do livro é muito bonita.
É muito bom ler um livro com tamanha genialidade e sentir múltiplas sensações pavorosas. Creio que o objetivo do autor foi alcançado por completo. Ele nos desloca entre o sobrenatural, o psicológico e o desconhecido. É impossível ler ''A Caixa de Natasha'' e não se deparar com os Diabos que nos perseguem no escuro real ou em nossos conscientes. lendo o livro, fica evidente que ao menos em algum momento de nossas vidas o pavor pelas criaturas horrendas sempre se fez presente. O autor usou diversas vezes o universo sombrio infantil para compor suas histórias, como um infanto-juvenil macabro. Particularmente eu adoro histórias assim. É como nas cenas mais lúgubres dos próprios filmes de terror onde crianças com caras inexpressivas ou sorrisos maléficos sempre fazem algo demoníaco. Mas Melvin Menoviks retrata também diversos outros tipos de pânicos. As histórias são repletas de pessoas com sentimentos de ira, matanças, contorções, gritarias, paranormalidade e também elementos como o inferno e o purgatório. É quase inacreditável a capacidade do autor integrar o leitor nos contos. Parece um verdadeiro bruxo dominante de tais poderes que nos entranham nos aterradores relatos.

Cada conto é bem peculiar e retrata em seus personagens e protagonistas os seus fantasmas internos e medos, revelando os seus demônios externos. Não há tantos diálogos nos contos e isso não afeta a volúpia de ''A Caixa de Natasha''. É impossível citar algum conto ruim mas revelo que alguns ficarão guardados na memória por meses, anos ou quem sabe, por toda a eternidade. Meus contos preferidos são ''Malpurga'', ''Vermelho'' e ''A Caixa de Natasha''.

''O pavor crescia em ondas quentes e revoltosas dentro do meu peito. O medo era um espírito insidioso que crescia de mim mesmo (...) A negra gosma pegajosa grudava em meu coração como uma sanguessuga molenga e se alastrava por meus órgãos internos (...) Meus braços e minhas pernas tremiam. Meus dentes rangiam. Minha mente apenas pensava em uma coisa ainda sem forma definida: Malpurga.''

Em ''Memórias'', a narrativa do protagonista toma proporções nefastas e deixa o leitor amedrontado. Nesse conto, observa-se uma forma mais simples e objetiva na escrita de M.M., o que deixa a narrativa bem memorável, de fato.

''Nos primeiros dias, Leonardo era um bebê comum, mas, depois, ele começou a emitir uns sons estranhos durante a noite (...) eram sons guturais misturados com risos que pareciam vir do inferno (...) Leonardo gritava como um demônio (...) No berço, estava Leonardo em pé, rindo, brincando com uma perna humana (...)''

M.M. deixa claro a sua homenagem a grandes nomes da literatura mundial, como Salman Rushdie e Howard Philips Lovecraft. No conto ''Vermelho'' há uma menção também a Edgard Alan Poe. Além disso, o autor filosofa em diversas porções de sua obra.

''— Aproveite o sofrimento: ele também não dura para sempre.''
''O pior dom é aquele que nos mostra a verdade.''
''Mas ele não era um flaneur ou um soi-disant filósofo da madrugada. Ele era muito mais que isso, um verdadeiro errante intimista sui generis; uma entidade notívaga e autossuficiente de genialidades atemporais e sutis excentricidades. de pensamentos abstratos e reflexões profundas como as de nenhum outro mortal (...)''

Vale destacar também os poemas macabros, que, sem dúvida, são maravilhosos, exprimem com beleza a graciosidade desse paralelo tão único. Apesar de não fazer menções a lugares, nota-se, até pelos nomes dos personagens e algumas alusões a figuras nacionais, que os enredos de M.M. se passam aqui no Brasil.

Eu adorei a página de títulos.

''A Caixa de Natasha'' é o melhor livro do gênero lido por mim nos últimos tempos. Não desvalorizo de forma alguma o trabalho de muitos talentosos e geniais autores do gênero; não é por desmérito de cada um destes mas por mérito próprio de Melvin Menoviks que digo isso. Repito, ele é um gênio. O livro é, absolutamente, uma obra-prima do horror, favoritado por mim e merecedor de incontáveis estrelinhas na avaliação.



O conto que finaliza a obra, intitula o livro e encerra com chave de ouro o progresso evolutivo desse brilhante exemplar. Lamento, mas não vou contar a vocês o segredo obscuro sobre o final do conto ''A Caixa de Natasha''. Não quero que a terrível maldição caia sobre a minha vida. Mesmo assim, com certeza ficarei muito tempo tendo pesadelos horrendos sobre essa revelação. Desejo sucesso ao autor e o parabenizo mais uma vez. O seu livro é de tirar o chapéu e com certeza o cara coloca no bolso muitos autores por aí, com todo respeito. Essa é mais uma obra que faz parte do projeto OS NACIONAIS MERECEM PRESTÍGIO.

E vocês, já leram ''A Caixa de Natasha e outros contos de horror''? O que acharam? Deixem suas opiniões aqui no Marcas Literárias, elas sempre são importantes.

Um abraço a todos e até a próxima.



Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. Leonardo a magnificência de tua resenha é tão magistral que chega a ser macabra! De fato esse livro é sim, uma magnífica obra prima literária nacional. Eu não sou muito fã de terror, porém dos livros de terror que eu já li, esse foi disparado o melhor deles. Parabéns ao autor o cara de fato é um gênio e seu livro é simplesmente genial. Forte abraço Leonardo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Luciano, fico contente por teus elogios. Obrigado.

      Ah, esse livro é genial mesmo. Não há outra palavra que o descreva tão bem.

      Forte abraço e obrigado pelas visitas. Você é um literário nato e leal aqui no #ML. Valeu.

      =D

      Excluir
  2. Já tive a oportunidade de manifestar pelo facebook minha profunda gratidão pelas suas adoráveis palavras direcionados ao meu livro, meu caro Léo, mas me parece que qualquer texto é pouco para expressar esse sentimento. É mais do que uma honra receber uma avaliação tão positiva em um blog da qualidade do seu! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato por teus comentários, amigo. Valeu!

      É muito bom receber você e sua obra aqui no Blog.

      Excluir
  3. Caro Melvin Menoviks, eu agradeço profundamente pelos elogios referentes a avaliação e qualidade do Marcas Literárias, e acredite, a sua felicidade é a minha felicidade. Poder vê-lo contente com a sinceridade de minhas palavras, torna-me tão feliz quanto a ti. Sempre será uma honra enorme comprar, ler, avaliar e divulgar tuas obras. O seu talento é inenarrável. Conte comigo sempre que precisar e o Marcas Literárias está de portas abertas a todo momento.

    Um forte abraço a ti e muito sucesso com o seu trabalho. Valeu!!!

    =D7

    ResponderExcluir
  4. Que resenha sinistra!! Me envolvi de fato, deu medo e me aguçou a vontade em ler o livro. Assim como os contos, você tem uma maneira bem peculiar de resenhar livros, nos situando de forma a aguçar sempre. Confesso que comprei o livro, mas ainda não li. Agora depois de ler tua resenha percebo quanta coisa perdi ao protelar a leitura. Preciso ler para degustar tais enredos assombrosos.Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geh, grato por seus elogios e sua visita. Vc sabe que já faz parte do Blog também, né?

      Não perde mais tempo, assim que puder, leia 'A Caixa' e se bestifique com a qualidade e genialidade do conjunto.

      Beijos minha querida.

      Excluir
  5. Nossa cara vc tem muito talento pra escrever historias de horror ate mesmo a resenha me deu medo gostei muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita Leo. O M.M. é muito talentoso mesmo. Se apresse e compre o livro,você não vai se arrepender.

      Volte sempre e abraços.

      Excluir
  6. Léo que resenha magnifica adoreiiiiii!!!
    Demais que talento do autor vou ler logo.
    Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  7. :) :) :) :)

    Luuuuuh, corre lá e vá ler esse livro. É demais!!! O autor é um cara fora do comum.

    Beijos.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd