segunda-feira, 2 de maio de 2016

Resenhando: ''Alguém'', livro do autor Thiago Limeira

Olá turma, nada melhor do que iniciar mais uma semana com resenha aqui no Marcas Literárias. Trago ao conhecimento de vocês a obra ''Alguém'' escrita por Thiago Limeira, um autor que inicia sua jornada no meio literário. Asseguro que há talento e ele precisa continuar. Fico muito feliz em ser testemunha do seu gênese. Quero agradecer novamente ao Thiago por enviar-me cordialmente seu livro para que fosse, antes de avaliado pelo blog, experienciado  por mim. É uma honra ser o primeiro a resenhar este ''Alguém'', um livro extremamente sintomático, que revela por vezes a inconsistência da natureza humana. As composições do autor retratam universos dolentes, soturnos e questionadores que seus personagens defrontam. Venham comigo entender os pensamentos desse ''Alguém'' que se tornou um bom amigo e que terei a estima de acompanhar e apoiar em todo tempo.


Título: Alguém
Autor: Thiago Limeira
Publicação: 2016
Editora: Chiado
Gênero: Literatura brasileira, ficção; Contos
Páginas: 200


Sinopse: Uma seleção de vinte contos sobre a existência humana e suas variáveis. O livro aborda diversos assuntos, que vão desde o famoso sentimento "amor", até parafilias, transtornos mentais e perda da inocência, com enfoque principalmente no quotidiano e na existência em si e suas diversas e possíveis consequências. "Era apenas uma criança que pouco conhecia o mundo e o ser humano. Aos seus olhos, tudo parecia-lhe novidade, como se fosse um recém-nascido, e todas as coisas lhes eram intrigantes e admiráveis. Por este motivo, a ignorância da qual se alimentava, pouco sabia das mazelas do mundo, e por isto mesmo foi enganado. Eis o contexto."


Os pontos mais lânguidos de um ser humano estão profundamente enraizados no livro ''Alguém'' de Thiago Limeira. Ao início, após a leitura das primeiras composições da obra, percebi sem demora que ela é parte do autor. Para os mais observadores e admiradores, lendo a biografia de Thiago Limeira é possível uni-la aos seus contos e formar um conjunto coesivo entre autor e obra, que adequadamente foi concebida pelas consequências de tantos questionamentos pessoais. A existência de ''Alguém'' assume a finalidade substancial de sensibilizar e alcançar outros iguais ou diferentes. Como uma voz que diz ''— Ei, acorda, o mundo é assim, as pessoas são assim, cara!''. O medo, o conhecimento, a descoberta, o desejo pelo desconhecido, a perda da pureza, o suicídio, o sentido desgostoso do sentimento amor, o emocional, a dúvida sobre a existência de paralelos e corpos idealizados fazem parte do contexto significativo de Thiago Limeira. O livro é entorpecedor — em seu sentido bom —, tanto ao ponto de deixá-lo diversas vezes em debate contra seu próprio ser, filosofando sua capacidade de enxergar seu simétrico paralelo e entendê-lo como único existente em um Universo tão vasto. Como diria Shakespeare, ''o pensamento vai além do que os nossos olhos podem ver''. Será que sua vã filosofia não é capaz de entender que se há criatura há um criador? E se há matéria tem que haver um espaço? Mas não precisam ser necessariamente existências únicas e tradicionais, cada um é livre para agir, pensar e falar como quiser. Thiago Limeira soube mesclar muitos aspectos literários, filosóficos e humanos em seu ''Alguém''. Agora, depois da leitura, há um outro alguém atingido por essa ideologia realista que o ''Alguém'' transmitiu. A leitura foi muito agradável.
''Alguém'' é excessivamente revelador e questionador. O autor manifesta seus sentimentos e pensamentos e exterioriza o mundo e suas substâncias.

Galera, o livro escrito por Thiago Limeira é grandiosamente respeitável. A linguagem utilizada por ele é habitual mas o cara, por vezes, entra em uma tendência requintada, filosofando em ares poéticos sobre os seus temas. A escrita é objetiva e mesmo quando o assunto é forte Thiago consegue a manter intriguista em uma atmosfera tradicional onde diz sem medo o que vê, sente ou pensa. O cotidiano é narrado abertamente, sem frescuras ou embaraços. Remete o leitor aos velhos ambientes dos subúrbios mostrando as imundícies urbanas. Thiago une períodos formosos com outros dramáticos, estabelecendo ao livro a sua própria metodologia narrativa, contando o contemporâneo. 

''(...) Ela começou a espernear na cama. Ele prendeu os braços dela, pressionou-os contra a cama para que ela não pudesse mexê-los. Ela impulsionou seu corpo para frente, não conseguia avançar. Tentou acertar o homem com suas pernas. Não conseguiu. Ele avançava lentamente sobre ela.''

Thiago ousou em muitos momentos, em um deles, inseriu os temas liberdade e livre arbítrio mas transmitido de uma maneira peculiar com elementos primordiais como criador e criatura, Deus e Satan. No trecho abaixo, observamos a fala do personagem Satan em um diálogo com deus Maya no conto ''A aposta'', um diálogo muito bem elaborado pelo autor:

''— Ó, tolo, não sabes que a liberdade em excesso é a chave para a própria destruição, olhe para nós mesmos! Tu és tão escravo da tua liberdade que tivestes de criar tudo, o universo,o mundo, o homem, tudo, incluindo até eu mesmo, para que não morrestes nos braços de tua própria liberdade.''
Agora o livro de Thiago Limeira faz parte do meu acervo literário e do projeto Os Nacionais Merecem Prestígio.

A visão do autor sobre os assuntos é interessante. O direito de pensamento e expressão é para todos e a interpretação sobre seus próprios questionamentos cabe a cada um. Os personagens de Thiago Limeira são afetados pelo emocional, se deparam a situações onde o medo, a excitação e a ansiedade os carregam para um ambiente bem evasivo, de possibilidades mistas e consequências inevitáveis.

''De repente, sentiu todo o medo esvair-se, um surto de coragem se apossou do homem e fez-lhe abrir a porta completamente (...) Quase fora paralisado pelo que vira dentro daquela porta. Fechou-a imediatamente num rápido movimento que fez ecoar barulho por todo o corredor. Fechou os olhos.''

Eles — os personagens —, foram bem ideados, e embora quase todos se assemelhem a representação de pessoas de passos perdidos, buscam constantemente ideologias diversas. O ''Alguém'' apresentado nos contos, conta solidão, tristeza e individualismo mas, ao contrário do que possa parecer, o livro em si não é individualista. O contexto que gira em torno do homem, da vida, da alma e da sociedade fazem uma ponte entre o autor e o leitor tornando a obra muito introspectiva para todos.

Imagem meramente ilustrativa.
O conto intitulado ''Circo dos horrores'' retrata a imagem do verdadeiro mundo e das escolhas que podemos fazer em meio a esse universo escuro e tortuoso. As portas a serem abertas pelo personagem neste conto representam muito bem os horrores encontrados ao nosso redor. O intenso desespero é visível nesta magnífica narrativa. Em outros, um ar mais desolado toma conta do espírito do leitor e nem sempre são finalizados com os finais felizes que todos esperam, afinal, a vida é um reflexo das condições de cada escolha. Ou seria coisa do destino? Sabe-se lá, não é mesmo!? Em certos momentos, eles parecem se complementar. A essência é coerente mesmo que essa coerência não esteja apresentada na racionalidade dos pensamentos. Em ''Alguém'', o autor é destemido e levanta até questões ''intocáveis'', aquelas que a sociedade gosta de ignorar e finge não ver.

Meus contos preferidos foram ''O circo do horrores'', ''Belail'', ''Henrique'' e ''Súcubo''. O duelo psicológico existencial na narrativa do conto ''Belail'' sintetiza a natureza humana questionadora. Quem realmente somos? O que realmente cada um é? Uma espécie de paranoia introspectiva integra essa composição. 

''(...) Talvez fosse eu. talvez não. Parecia que eu tinha sentimentos por aquela mancha negra, pois quis me aproximar e perguntar como ia, se estava indo bem, se afinal era ou não um humano. Simpatizava com aquela sombra. Me lembrava alguém que eu já fui (...) Um personagem que muitos têm medo.''

Achei admirável a capacidade de Thiago Limeira em escrever sobre diversos assuntos, transitando entre os mais reais aos mais fantasiosos seres e universos. O cara grafa contos em contextos filosóficos, ficcionais, sombrios e astronômicos. Às vezes, ''o ser mulher'' é o foco de suas inspirações.

O tamanho excessivo dos parágrafos tornou a leitura um pouco arrastada em alguns momentos. Há parágrafos que duram quase duas páginas. Este é um ponto a se corrigir em uma próxima edição e em futuros livros.

A diagramação do livro é básica.

A parafilia é um dos temas mais fortes em ''Alguém''. O abuso sexual praticado por um professor contra um de seus jovens alunos foi narrado de maneria perfeita, transmitido sem censura por Thiago Limeira, que mostra essa realidade para o leitor. Ele consegue ser o filósofo e simultaneamente o grande denunciador. Mostra um mundo obscuro mas real, fechando com maestria o conjunto de sua obra. 

''(...) O professor aproximou-se mais dele. Olhou para seus pequeninos olhos fechados. Sua boca, meio aberta, permitia a visão de parte de seus dentes da frente. Suas orelhas, empinadas, estavam atentas ao que viesse. Suas mãos, juntas, apertavam o tecido da calça (...)''

''(...) Estava só. E assistia aos dias passarem. Mesmo a rotina e a dor não lhe incomodavam. Não mais. Apenas existia. E assistia sua alma escorrer pelo ralo.''

''Alguém'' ¹ — pronome indefinido invariável; alguma pessoa; pessoa digna de consideração; antônimo de ninguém. / Exprime indiretamente o comportamento de tantos por aí; tristes ou felizes... grandes, baixos, feios, bonitos, líderes, seguidores, subalternos, assassinos, assassinados, malfeitores e maltratados.

''Alguém'' ² — livro marcante, verdadeiro, arrebatador, questionador. Livro que chegou em minhas mãos através da iniciativa de ''Alguém'' que merece prestígio. 

''Talento'' — antigo peso e moeda dos gregos e romanos; grande e brilhante inteligência; agudeza de espírito, disposição natural ou qualidade superior; espírito ilustrado e inteligente; grande capacidade; pessoa possuidora de inteligência invulgar. força física; vigor; palavra que retrata de maneira correta capa de livro e autor. 

Classifico o livro de estreia de Thiago Limeira, ''Alguém'', com 5 estrelas. É uma obra realmente muito expressiva e cheia de realidade. Mais um livro que agora faz parte do projeto OS NACIONAIS MERECEM PRESTÍGIO. 


Se vocês curtiram a resenha e se interessaram pelo livro do Thiago Limeira, autor da Chiado Editora, fiquem a vontade para garantirem os seus exemplares.



O que vocês têm a dizer? Gostaram? Não gostaram? Deixem suas opiniões, é sempre bom saber o que vocês acham dos nossos queridos parceiros do blog.

Mais uma vez, agradecimentos ao autor pela confiança.

Para vocês, um forte abraço e um até logo.

Valeu!


Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Vim prestigiar sua resenha. Adorei. Esse é um livro cujo assunto me interessa. Demonstrou muita profundidade.
    Parabéns ao jovem escritor pelo livro e a você por ter explicado de maneira soberba o sentido da obra.
    Abraços!!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha Leonardo! Como habitualmente tu o faz de maneira magistral. Esse livro pela forma como você o descreveu é certamente um livro profundo, reflexivo e além de ser filosófico. Quer algo a mais em um livro bem escrito, pra mim já é o suficiente. Pra quem não o leu, ao ler a sua resenha somente fez aguçar a imensa vontade de lê-lo, e o farei assim que puder. Abraço Leonardo, o cara que se tornou um especialista em fazer uma resenha bem feita e de conteúdo ímpar para aqueles que não vivem sem ler um livro de qualidade.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo comentário, Fernando. O Thiago precisa do nosso incentivo, é um talentoso autor que inicia de forma muito marcante a jornada literária.

    ResponderExcluir
  4. Luciano, teus elogios só aumentam a vontade em incentivar esses autores, que assim como nós, precisam sim ser aplaudidos e ter as suas obras reconhecidas. Chega de dar mérito para aqueles que não são daqui. O que temos é de excelência e precisamos apoiá-los.

    Obrigado pela opinião.

    Abraço.

    :-bd

    ResponderExcluir
  5. ALGUÉM é um belíssimo titulo, e pela tuas impressões diz jus ao nome. Ventilado á luz da psicologias e filosofia nos levando a uma identificação pessoal . Assunto que tenho um maior apreço. Como sempre tu falaste do livro de forma peculiar. Isso só engrandece ao autor que tem o privilégio em por uma obra em suas mãos. Resenha admirável. Parabéns moço!

    ResponderExcluir
  6. Grato pelo comentário e elogio, querida Geh.

    Recomendo o livro a ti, sei que vai adorar.

    Beijos.

    :P

    ResponderExcluir
  7. Belíssima resenha!!! Parabéns Léo livro reflexivo amei.

    ResponderExcluir
  8. :) :) :) Feliz em saber que gostou. Beijos!

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd