domingo, 25 de setembro de 2016

''Adolescente Rebelde - Como lidar?'', você sabe? O psicólogo e autor Joacil Luis doa valiosas orientações

Após tantas leituras nesse percurso anual, recebendo obras maravilhosas enviadas com tanto apreço e confiança a mim através dos amigos autores e editoras parceiras do blog, eis que entre tantas histórias com as suas peculiaridades e importâncias, chega através do autor Joacil Luis de Oliveira, um dos diversos talentos da Chiado Editora, um verdadeiro instrumento que deveria, por norma, ser parte fundamental do acervo literário e pessoal de muitas famílias. O título de poucas mas valiosas páginas, grafado pelo autor com muita precisão e técnica, é merecedor de todo o reconhecimento e valorização por apontar erros e soluções de uma característica muito comum no universo dos jovens, que acaba impossibilitando o uso da paciência e da capacidade de raciocínio de muitos pais. Trata-se da rebeldia, uma tendência contrária de acolitar princípios. O que muitos não param para pensar é que toda essa obstinação praticada pelos adolescentes é formada por algum estímulo, e por impulso os pais acabam conduzindo a situação de maneira errônea. ''Adolescente Rebelde - Como lidar?'' é muito mais do que um livro pedagógico para instruir pais desalinhados. A obra se encaixa perfeitamente na definição de uma verdadeira ''constituinte familiar'' infalível na organização das relações domésticas. Sua premissa é forte, direta e verdadeira, visa atentar os pais de suas manobras descabidas, inseguras, — e às vezes irreflexivas — em relação ao comportamento educacional para com os filhos adolescentes. Um bom exemplo para começar é dizer que ''a valorização da opinião dos filhos deve ser estimulada desde que são pequenos. Sentar com eles e pedir opinião sobre assuntos diversos, inclusive sobre administração familiar, poderá ser uma forma madura de educar para futuras eventualidades. Ouvir suas colocações não significa acatá-las, mas indica valorização deles como pessoa e como membro da família.''


Título: Adolescente Rebelde
Subtítulo: Como lidar?
Autor: Joacil Luis de Oliveira
Publicação: 2015
Editora: Chiado
Gênero: Ensaio
Páginas: 98


Sinopse: Muitos pais são carregados de orgulho. Não sentam para conversarem, não admitem que já erraram e não se preocupam em investigar o que impulsiona seus filhos a agirem da forma que agem. Não se pode desconsiderar que os adolescentes, muitas vezes, são movidos pelos reflexos da rebeldia. Mas esta não poderá ser ajustada sem a devida compreensão, dedicação e desejo sincero de ajudá-los. Filhos não precisam de pais carrascos que ferem sem piedade, tentando corrigir aquilo que apenas a compreensão serviria de "remédio". Muitos adolescentes necessitam de acompanhamento terapêutico para resolver seus dilemas, mas os pais são peças-chave neste processo, onde a dinâmica familiar poderá necessitar ser revista e modificada. A família ideal não é aquela onde um grita e os outros encurvam-se, mas aquela onde todos ouvem, opinam, desculpam-se e ajudam-se. Assassinam os filhos, os pais que os agridem verbal ou fisicamente, tratando-os sem amor, sem compreensão e sem empatia. Fazem deles presas dos vícios, aqueles que lhes negam o tempo, o amor, o companheirismo e a conversa diária. Transformam-nos em “doentes” os que esquecem que eles podem falhar, podem tropeçar e que necessitam serem ensinados.

Sobre o autor: Graduado em psicologia pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ. Pós-graduado em neuropsicologia pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ. Inscrito no Conselho Regional de Psicologia sob o nº 13/6160. Habilitado em hipnose pela Sociedade de Hipnose Médica do Rio de Janeiro – SOHIMERJ. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas. Palestrante e hipnoterapeuta. Realiza atendimento clínico em consultório particular, na perspectiva Cognitivo-comportamental. Realiza avaliação e reabilitação neuropsicológica. 



É nesse campo extremamente abrangente que apresenta múltiplas possibilidades e razões para a iniciação da rebeldia, que o autor argumenta com excelência, situações, erros e soluções para se chegar a estabilidade emocional no relacionamento familiar. Quem tem filhos entende rapidamente a questão em tese e assimila a importância do conteúdo que o autor posiciona. A adolescência é o período mais conturbado da fase do ser humano justamente por ser a transição de outra fase que a perspicácia em relação a independência ainda se faz ineficiente. O autor atenta que neste momento o adolescente precisa de um acompanhamento muito cauteloso e eficaz que terá que ser administrado primeiramente no âmbito familiar, pelos pais. Isso nem sempre acontece, o orgulho e falta de atenção de alguns desses pais os impedem de usarem um olhar mais preciso sobre a situação do adolescente, se tornam cegos e não conseguem enxergar as necessidades e anseios de suas próprias criações. 

Com exemplos fabulosos, Joacil Luis utiliza toda a sua técnica adquirida no campo profissional através de anos de estudos e trabalho na área de psicologia, e interage com o leitor o convencendo que os reflexos de rebeldia podem ser freados caso os pais tenham realmente vontade e usem flexibilidade e compreensão no método de contato com os filhos adolescentes. O diálogo é importante e em nenhum momento os pais devem doar à escola as suas próprias obrigações. As principais influências devem estar em casa, é no lar que os alicerces para um desenvolvimento psicológico devem ser firmados. O livro exprime muito bem todas essas questões e de uma maneira muito fácil para que sejam compreendidas.

''Sobre s filhos:
- Precisam de regras, não de gritos!
- Carecem de disciplina, não de agressão!
- Necessitam de atenção, não de intimidação!
Os pais, principais responsáveis pela condução dos filhos nesta idade, sofrem desesperados, não sabendo a forma correta de corrigir. Alguns batem, outros rejeitam. Tem pai que abandona e muitos fingem que não se incomodam com o problema. Confundir regras com gritos leva muitas famílias a viverem em guerra.''


''A adolescência é um período marcado por momentos de rebeldia. A preocupação maior dos pais, nesta fase da vida, é como ensinar os filhos a melhoras seus comportamentos.'' - Joacil Luis

O autor dá exemplos ótimos para conduzir suas lições e com isso estimula a prática de ditas instruções, à exemplo dos pais que usam de agressão e gritos para, autoritariamente, tentarem resolver uma situação que já é tensa. Toda essa tensão, após os ''berros'', torna-se um conflito ainda maior. Joacil Luis não revela apenas a sua sabedoria e experiência como profissional da área mas também se torna a figura perfeita de um professor maduro e sensato para o leitor, uma espécie de ''gênio da lâmpada'' capaz de indicar os atalhos precisos para contornar os conflitos familiares entre pais e filhos. O leitor em certos períodos se vê como parte da tese, seja como um mero adolescente rebelde ou como um pai ou mãe relaxados e incompreensíveis. 

''Alguns acabam entendendo que o comportamento dos filhos é reflexo dos seus próprios, mas outros tentam puni-los, numa tentativa inconsciente de negar as próprias falhas. O lado bom dessas informações é que eles não herdam apenas o comportamentos desagradáveis. Não aprendem somente grosserias, intolerâncias e atitudes agressivas. Os filhos aprendem e imitam quase tudo o que os pais fazem. E, assim como copiam seus erros, fazem também, tudo de bom que os virem praticar.''

O psicólogo indica, com uma escrita muito prática, que os adolescentes ainda estão em formação não somente física, mas psicológica e emocional também. Estes têm a tendência de usar os pais como exemplos. É aí que o processo da psicologia pode entrar em cena em alguns casos. Vale ressaltar que a presença do pai é fundamental para o desenvolvimento perfeito do psicológico e emocional do filho.


A imagem da capa foi muito bem desenhada, representa com perfeição uma condição que o adolescente mais almeja, a liberdade.
''Os filhos que cometem falhas devem ser disciplinados o quanto antes. Mas não precisam ser torturados para que isso ocorra. Disciplina e tortura [seja física ou psicológica] são coisas distintas.''

A utilização da figura masculina na abordagem da temática se dá justamente por estes serem mais dispersos durante o crescimento dos filhos. A ausência do pai no âmbito doméstico é, na maioria das vezes, justificada pela falta de tempo em razão do trabalho. Segundo Joacil, este é um grande erro para a estabilidade familiar. Como pai, faço válida as palavras do autor e garanto que todas as explicações grafadas por Joacil — como psicólogo  chegaram de maneira atraente até mim através do seu lado  autor , e foram de grande valia. Ele lembra que, assim como tratar os filhos com total descaso é errado e prejudicial para a formação de um eixo familiar harmonioso, dá-lhes proteção demais também não é o correto. ''Muita proteção poderá gerar filhos inseguros imaturos, socialmente fracos e sem habilidades para enfrentarem a vida. Os comportamentos de medo excessivo, insegurança, timidez e inabilidade no relacionamento social são muito mais aprendidos do que herdados.''



O livro exibe muitos aspectos comuns nos padrões de educação familiar como o medo, a falta de experiência e a insegurança, que às vezes geram erros com consequências graves e desestruturação psicológica para ambos os lados. O autor também demonstra seu ar poético e sensibilidade ao incorporar pequenos contos estilo fábulas que se ajustam perfeitamente ao enredo. Cada um deles são maravilhosos e conseguem, com simplicidade, despertar o leitor, como os casos de Frederico, paciente de treze anos, do pai que perde-se do filho no escuro, do reino mágico das grandes águias, da princesa na terra dos lobos brancos e manchados, e de Yion, rapaz de treze anos, filho único, que apresenta um comportamento desalinhado. Ainda, em sua composição, com mais seriedade, ele integra um componente banal no mundo dos jovens para sinalizar a importância na atenção com os filhos nessa idade. As drogas, elementos devastadores de nossa sociedade, que agarra os adolescentes desestimulados psico e emocionalmente, fazem parte do grupo dos principais fatores que acarretam a desunião do lar. 

''Pop havia sido encaminhado na noite anterior para o Conselho, quando tinha sido pego usando drogas junto com alguns colegas em um local afastado da cidade. Ele tinha sido ferido por um amigo, numa briga por causa da droga. Sona Suzana encontrou seu filho sujo, faminto e bastante machucado.'' Nesse conto, achei interessante os nomes dos protagonistas. O menino que matava aula há dias é chamado de POP, simbolizando a popularidade tanto entre os colegas quanto em relação às drogas. A professora chama-se ESPERANÇA, justamente por sinalizar a ilusão e expectativa dos pais sobre a escola e os professores, achando que cabe a estes a principal função de educar. É interessante também apontar a sabedoria do autor em rotular os ''amigos'' de Pop como ''colegas'', pois para esta situação, utilizar o termo amigo é mesmo muito descomedido. 


Um dos contos mais marcantes do livro é o que faz referência direta ao uso de drogas na adolescência.

Ainda existe negligência dos pais quanto à obrigação do auxílio e participação no desenvolvimento dos filhos. Isso é muito triste e gera uma dor que muitos — os mais atentos que acompanham ou já presenciaram casos como os apresentados pelo autor —compartilham. No contexto geral percebi que há erros que causam consequências irreparáveis e na maioria das vezes isso é enxergado tarde demais. Não dê tempo ao tempo para que a situação de rebeldia de seus filhos se resolva, até porque nem sempre ela se resolverá por si só. É preciso muita paciência, amor, compreensão e flexibilidade para o acompanhamento desses adolescentes. A fase já é complicada, queiramos ou não, e dessa forma eles não esperam encontrar pais que os confundam ainda mais na vida, e sim verdadeiros e melhores amigos com quem possam obter apoio. Senti-me bastante contente ao perceber que ainda há pessoas que apresentam essa vontade em alertar os pais. Como pai, repito que, os ensinamentos adquiridos nesse volume são para a vida toda. ''Adolescente Rebelde - Como lidar?'' é um atendimento psicológico especial para os leitores. Adorei! Por tudo isso é realmente importante entender que os pais devem ser modelos agradáveis para seus filhos. Assim como a introdução belíssima do livro nos mostra, os filhos são navios e os pais são os construtores. Que tempo você gasta construindo seus navios? 


Livro excelente e fundamental para a família

Em 95 páginas e com explicações magníficas, Joacil Luis diz tudo o que muitos não conseguem dizer ou entender em semanas, meses ou anos. Sua habilidade profissional e talento na escrita o possibilitam a interação com seus pacientes e/ou leitores. Em apenas uma hora e meia devorei o livro que agora é um dos meus favoritos em minha coleção. Cinco estrelas e mais uma especial para o conteúdo de ''Adolescente Rebelde - Como lidar?''. Agradeço ao autor pela dedicatória no impresso, e pela confiança doada a mim através do Marcas Literárias para a apresentação deste trabalho maravilhoso. Comprem  para valorizarem ainda mais as suas coleções e presenteiem também aqueles pais que vocês conhecem que passam por situações do tipo e precisam de uma ajuda perita no caso. O livro acrescentará muito em suas vidas.



Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Resumo fantástico. Interpretação perfeita do livro. Parabéns.

    ResponderExcluir

  2. Muito boa a resenha Leonardo. Parabenizo o autor por mais essa obra. O livro me parece ser perfeito, para os pais que tenham filhos, e ou filhas adolescentes, esse livro é obrigatório, para educar os filhos, de forma correta. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá Joacil, fico feliz que tenha gostado da apresentação do seu maravilhoso livro. Tenha certeza que o indicarei para muitas pessoas. Essa riqueza de informações precisa ser repassada, todos devem ler. Parabéns!

    Abraços;

    ResponderExcluir
  4. Fala Luciano, valeu!!!

    Tenho certeza que a leitura desse livro vai te agradar. Depois me diga o que achou!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Que livro interessante , De fato “filhos não precisam de pais carrasco”. Precisam de pais que converse e diga: passei por essa fase também.

    Na verdade, o que muito se ver é muitos pais se ausentando de seu papel, esquecendo que para um adolescente se tornar um adulto precisam de cuidados e uma certa vigilância, pois é nesse momento que eles conseguem tirar conclusões própria , sendo estas ideia contrarias aos pais. É nisso que os pais não aceitam e se torna o inimigo dos filhos.

    Bela apresentação, moço! De fato o livro é muito bom, e sim, toda a família deveria ter esse título em sua estante.

    ResponderExcluir
  6. Sabia q você ia curtir, Geh. É com certeza um livro muito valioso e necessário. Suas palavras completam com perfeição os nossos pensamentos.

    Beijos

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd